Jogadores de futebol não levam mais a sério dirigentes amadores

O Inter está agregando mais um dirigente para o seu departamento de futebol. Pedro Afftato vai trabalhar junto com Carlos Pellegrini. Honestamente, não vai fazer nenhuma diferença. Os tempos são outros, o futebol mudou, os jogadores mudaram e o Inter está atrasado no conceito de montagem do seu departamento de futebol.

Metodologia hoje é científica, não há mais espaço para dirigentes amadores, os próprios jogadores não os levam a sério. Os atletas prestam atenção em profissionais da área, que tenham método, planejamento e possam lhes agregar mais conhecimento e crescimento profissional.
A figura tão valorizada no Rio Grande do Sul do vice-de-futebol é algo absolutamente anacrônico, não funciona mais. Portanto, desejo toda a sorte do mundo para Pedro Affatato, mas não acredito que vá fazer alguma diferença junto ao grupo de jogadores do Inter.

A profissionalização é um caminho irreversível, tentar negar isso é um retrocesso. Além dos assistentes técnicos que estão trabalhando com Falcão, o clube precisa de alguém do ramo para assumir a gerência executiva do departamento. Alguém que possa estar atento a tudo o que se passa no futebol do clube, tanto na base como no profissional.

Edu Gaspar era essa figura no Corinthians, com sua ida para a seleção, o ex-lateral direito Alessandro assumiu a função. No Palmeiras, está Cícero Souza, que passou pelo Grêmio. No Flamengo, Rodrigo Caetano.

Jorge Valdano durante muitos anos esteve no comando do Real Madrid e hoje quem está por lá é o ex-jogador Emilio Butragueño.

Zubizarreta atuou anos no Barcelona, no momento Roberto Fernández Bonillo, ex-jogador e treinador é quem assumiu a função. No Bayern de Munique, o ex-treinador Michael Reschke está no comando do futebol.

Enfim, teríamos vários exemplos, todos envolvendo profissionais que atuam em posições de comando nos grandes clubes. Esse negócio de vice-de-futebol é uma lenda gaúcha, um super dirigente que vai fazer com que tudo funcione num passe de mágica.

É um dos grandes problemas do Brasil, todo mundo se acha especialista em futebol. Não há mais espaço para improviso ou discursos do tipo “nosso planejamento é jogo a jogo”. Não se faz futebol no achismo, onde se avaliam situações baseado em opiniões pessoais ou intenções, geralmente sem explicação ou motivo.

5 Comentários em Jogadores de futebol não levam mais a sério dirigentes amadores

  1. O Inter esta mais do que na hora de profissionalizar seu Departamento de Futebol . O Futebol é para especialistas e não mais para amadores . Quem pode levar a serio a figura de um sargentão tipo o Pelegrini. Por favor os clubes gauchos estão na contramão da evolução do futebol atual.

  2. Os executivos profissionais do Brasil são fracos. O Rodrigo Caetano é exaltado como um grande profissional, mas seus trabalhos são fracos. As contratações de técnicos e jogadores nada diferem dos dirigentes amadores. Ele não é um cara que conhece o mercado e acha jovens valores. É apenas um cara simpático, bem quisto pela imprensa e com penetração nos clubes

  3. Concordo, quase integralmente.
    Tentei implantar no Inter, com o Fernandão,
    foi bem. Por questão profissional, lamentavelmente tive de me afastar, não houve continuidade e consolidação do função.
    Abraço

  4. PQ TU Ô CARECA NÃO FALA DE NABAS DO NAIPE DE ANDRIGO, VITINHO, ANSELMO, ANDERSON EX gremista, GEFFERSON E CIA? AGORA TU RESOLVEU TE ENCARNAR NO GUSTAVO FERRAREIS??? TEM GENTE MUITO, MAS MUITO ATRÁS DELE NO INTER! ELE É RAÇUDO, NÃO ACIETA A DERROTA, LUTA SEMPRE ATÉ O FIM. MAS TU RESOLVE SEMPRE DAR UM PITACO NO CARA NÉ CARECA METIDO A CANTOR E COMENTARISTA????

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*